Se você tem alguma dúvida sobre a saúde do seu animal
PERGUNTE AO
VETERINÁRIO

vet@kennelclub.com.br
PIOLHOS
Koala Hospital Animal

Os piolhos são parasitas específicos que não sobrevivem fora de seus hospedeiros por mais que alguns dias. São insetos vermelho-acastanhados, medem aproximadamente 2mm., e são visíveis a olho nu. O ciclo de vida inclui ovo, ninfa e adulto. Os ovos (lêndeas) são postos firmemente aderidos nas hastes dos pêlos, eclodindo em 7 a 10 dias. As larvas emergentes alimentam-se no prazo de 24 horas, fazendo 3 mudas em aproximadamente 3 semanas.

Mais comumente afetam animais jovens e idosos debilitados, porém, como a infestação está associada a condições precárias de saúde e higiene, podem acometer animais de todas as idades. A transmissão da infestação ocorre mais frequentemente por contato direto, mas também pode ocorrer via fômites (tapetes, camas, pentes, escovas, etc.)

Os cães podem ser infestados por linognathus setosus, um piolho hematófago (sugador de sangue) ou por Trichodectes canis ou Heterodoxus spiniger que são piolhos mastigadores (alimentam-se de restos celulares e queratina).

O prurido (coceira) é o sinal clínico mais importante, que pode ser mais evidente ao longo da linha média dorsal. Os sinais adicionais incluem um odor agudo, escoriações, crostas e dermatite secundária. As mordidas deixam manchas avermelhadas na pele, e os pêlos tornam-se progressivamente finos e quebradiços devido à mordedura contínua e ao prurido. Em animais jovens, uma anemia pode estar presente resultante da infestação com piolhos hematófagos.

O diagnóstico é feito mediante exame físico ou impressão com fita adesiva na pelagem, sendo os parasitas identificados microscopicamente.

O tratamento consiste na aplicação de inseticidas tópicos (em pós ou líquidos para banhos) próprios para uso no corpo do animal. Como as infestações são contagiosas, todos os animais contactantes devem ser tratados. O meio ambiente deve ser tratado, principalmente canis e gaiolas, com inseticidas próprios para uso no meio ambiente, evitando, neste caso, o contato com os animais afetados. Deve-se repetir o tratamento após 10 ou 15 dias. Pode haver recidiva (reaparecimento do quadro algum tempo depois).